Publicado por: TDM | 20 de julho de 2017

Caminho do Mambucaba

Trilha do Ouro. Pavimento do período colonial. (TDM, 2017).

Tropas arreadas marchavam em direção àquela passagem por entre as montanhas da Bocaina, vindas do vale do Paraíba. Seguiam um regato que ganhava volume, enquanto despencava lá para baixo da Serra. Depois da árdua subida, começava o calçamento de pedras, resultado da força de trabalho de um povo escravizado.

Estavam no Caminho do Rio Mambucaba, a conhecida Trilha do Ouro.

Informações sobre a travessia no site do Parque: PNSB

 

 

 

 

Serra da Bocaina. TDM, 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

Trilha do Ouro. TDM, 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sítios instalados no Parque. TDM, 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

Cachoeira do Veado. TDM, 2017.

Anúncios
Publicado por: TDM | 22 de maio de 2017

Paraty-Mirim

A praia de Paraty-Mirim, logo em frente a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, guarda águas calmas e de ver até o fundo.

A canoa apontou para a Enseada do Pouso, passando pelo Mamanguá. Ao contornar o costão as águas aumentaram. A canoa jogava de um lado a outro. Remada forte para escapar das ondas. Refúgio na Praia Deserta.

De lá, mais uma hora no remo, a Praia de Itanema. Finalmente um descano. Com o Sol indo para trás da Serra, um último trecho de remada por entre as embarcações, até a Praia de Itaoca…pouso merecido.

Saudações a M. Sartori pela empreitada.

Igreja de Nossa Senhora da Conceição. TDM, 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paraty-Mirim. TDM, 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

Próximo ao Mamanguá. TDM, 2017.

Publicado por: TDM | 27 de dezembro de 2016

Pedal Ribeira-Lagamar

O verão estava anunciado no calendário, mas nas terras do alto Ribeira o frio relutava em partir, deixando uma atmosfera chuvosa e fria.

Ainda agasalhados demos início ao pedal na cidade de Apiaí (SP), seguindo pelo vale do Rio Betari que atravessa o PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira) até o Bairro Serra, no núcleo Santana; e de lá para Iporanga, as margens do Rio Ribeira de Iguape.

Mais adiante o distrito de Itapeúna e um atalho para Cajati. O próximo trecho seguia o vale do Rio Guaraú, contornando (e subindo!!!) as elevações que circundam o Mar Pequeno em Cananéia.

O plano das praias marcava a próxima etapa, primeiro na Ilha do Cardoso a partir de Marujá, continuando na Praia Deserta de Superagui, que confunde suas areias com o horizonte. De Superagui uma carona com um pescador para o continente e mais 40km até Morretes, sob um Sol “torrante”.

Saudações a I. Ribeiro pela companhia.

Itinerário:

  • Curitiba – Apiaí: ônibus
  • Apiaí – Bairro Serra-PETAR:± 31km.
  • Bairro Serra – Iporanga:± 15km.
  • Iporanga – Itapeúna:± 59km.
  • Itapeúna – Cananéia (via estrada do Guaraú):± 75 km.
  • Cananéia – Ilha do Cardoso (Marujá): Travessia de barco.
  • Marujá – Pontal Sul (Ilha do Cardoso):±15km.
  • Ilha do Cardoso – Ilha de Superagui (Ararapira): Travessia de barco.
  • Ararapira – Barra do Superagui: ±26km.
  • Superagui – Paranaguá – Morretes: Travessia de barco; e ±40km de pedal.
dscn2413

PETAR, no Vale do Rio Betari. TDM, 2016.

 

 

 

 

 

 

 

 

dscn2418

Centro histórico de Iporanga (SP). TDM, 2016.

 

dscn2435

Ponta sul da Ilha do Cardoso (SP); travessia para Ilha de Superagui (PR). TDM, 2016.

Publicado por: TDM | 31 de outubro de 2016

Rio Taquari

As águas brotam nos rincões mais distantes da Serra do Paranapiacaba. De ribeirão em ribeirão vão se avolumando até formarem o Rio Taquari. Onças, antas e jaguatiricas circulam de lá para cá na floresta densa.

De canoas é possível passar vagarosamente enquanto os olhos vasculham o verde da mata. No fim o Taquari soma o caldo com o Ribeira de Iguape e seguem calmos até o Atlântico.

Saudações a P. Silva e a família Sartori.

dscn2389

Rio Taquari (Eldorado;SP). TDM, 2016.

 

dscn2391

Próximo ao acampamento. TDM, 2016.

dscn2396

Ilha no Ribeira de Iguape, próximo a foz do Taquari. TDM, 2016.

Older Posts »

Categorias